Bisbilhoteca 2018

CONFIRA DICAS DE LIVROS, LEITURAS E/OU LINKS PARA AMPLIAR SEUS CONHECIMENTOS E TAMBÉM PARA DESCOBRIR COMO É PRAZEROSO BISBILHOTAR LIVROS. A SELEÇÃO É FEITA PELO CURADOR LUCIANO PONTES.

Literatura, Cultura e Direitos de Indígenas em Época de Globalização (vol. 01, Mercado de Letras) – Maria Silvia Cintra Martins (org.)

Um dos assuntos mais pertinentes do século XXI é o multiculturalismo, os diálogos interculturais e, com isso, é demandado um respeito às diferenças étnicas, raciais e culturais. Se continuarmos, no entanto, separar a história de movimentos sociais da História, corre-se um grave risco. É nesse mote que os escritos de Daniel Mundukuru, escritor indígena, junto com Janet Chernela, Radha Souza e Robin Wright se fazem pensar em suas palavras, sob a organização de Maria Silvia Cintra Martins, que é doutora em Letras.

Indígenas crianças, Crianças Indígenas – Perspectivas para Construção da Doutrina da Proteção Plural (Juruá Editora) – Assis da Costa Oliveira

O livro se baseia num questionamento bastante contemporâneo: como a cultura indígena, junto com seus direitos, podem inserir-se ou mudar os direitos da criança e do adolescente? É através disso que o autor Assis da Costa Oliveira constrói seu livro, mudando “crianças indígenas” para “indígenas crianças”, construindo a sua doutrina.

Contrapontos da Literatura Indígena Contemporânea no Brasil (Mazza Edição) – Graça Graúna

A crítica literatura e escritora, autora dessa obra, é conhecida por ir além do que é monocultural dentro do cânone da literatura e da crítica literária no Brasil. Neste escrito, como o próprio nome sugere, Graça Graúna reuniu nas páginas um cordão de contato entre oralidade e a escrita indígena.

História dos Índios no Brasil (Companhia das Letras) – Manuela Carneiro da Cunha (org)

Já existiam pessoas nessas terras antes mesmo dos portugueses chegarem. Já existia cultura, já existia uma sociedade com seus costumes e regras. A história dos indígenas, ou seja, vem antes da própria história da colônia. Assim, esse livro nasceu no Núcleo de História Indígena da Universidade de São Paulo (USP), explorando essa história e esse povo tão antigo. Contém obras de 27 colaboradores, brasileiros e estrangeiros. O livro, portanto, baseia-se em ser um acesso de conhecimento às principais questões da presença indígena no Brasil e na América.

Contos Indígenas Brasileiros (Global Editora) – Daniel Munduruku

A palavra é uma fonte inesgotável, onde dela se pode produzir ou projetar diversas coisas, reais ou fantasiosas. Neste livro, Daniel Munduruku reúne contos – até mesmo desconhecidos – dentro da cultura indígenas. Aqui, desvendam-se terras e mitos que podem ajudar a qualquer leitor ou leitora, criança ou adulto, a compreender a dimensão do povo(s) indígena(s).

A Floresta Canta. Uma expedição sonora por terras indígenas do Brasil (Editora Petrópolis) – Madga Pucci e Berenice de Almeida

Existe uma diversidade de sons que não é conhecida para aqueles que vivem nas selvas de pedra, cercados de buzinas, sirenes e tecnologias. Dentro das tribos, existem melodias que pouco, ou quase nada são conhecidas pela sociedade brasileira. É a música dos indígenas, que resiste ali, em suas aldeias, bem explorada neste livro tão interessante e curioso.

Pele Silenciosa, Pele Sonora. A literatura indígena em destaque (Autêntica) – Janice Thiél

Dedicado para a formação de professores, especialmente os de Ensino Médio, o livro defende uma proposta de leitura dos livros escritos por indígenas, não somente brasileiros, mas em toda a América. Além de ser um importante ponto inicial para quem quer aventurar-se na literatura indígena, a obra de Janice também reflete acerca da identidade do indígena que foi construída, ao longo da história, seja pelos próprios índios ou por brancos.